Polícia Federal confirma caso de fraude no Enem após apurar denúncia












A superintendência da Polícia Federal (PF) na Bahia cumpriu na manhã de sexta-feira (19), em Salvador, mandado de busca e apreensão na casa de um estudante para apurar denúncia de fraude no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O candidato cometeu um plágio, copiando um trecho de um livro relacionado ao tema escolhido neste ano para a redação. O rapaz confessou o crime.

 O candidato reproduziu a sinopse do livro Redação de Surdos: uma Jornada em Busca da Avaliação Escrita, de Maria do Carmo Ribeiro, lançado pela editora Prismas em 2015. 
O tema da redação do Enem deste ano foi Desafios para a Formação Educacional de Surdos.
A PF começou a apurar o caso após receber informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem, sobre a ocorrência de um plágio em uma prova aplicada em Salvador. De acordo com a delegada responsável pelo inquérito, Suzana Jacobina, o candidato confessou que usou um telefone celular para ter acesso ao conteúdo na redação, sem que tenha sido visto pela equipe de fiscalização da prova.
           
Prova do Enem do candidato investigado foi apreendida | Foto Divulgação/Polícia Federal
A PF continuará a investigação, mas, em uma avaliação preliminar, considerou que o caso foi isolado, envolvendo apenas um estudante. A delegada descarta, no momento, que haja risco de alguém ter vazado o conteúdo da prova neste caso, o que poderia comprometer a validade do Exame como um todo.
“Com as provas até então colhidas, a linha de investigação mostra que o caso foi isolado. A princípio, o Enem está real, não tem risco de ser suspenso. Mas tudo ainda precisa ser confirmado”, afirmou a delegada Suzana Jacobina. A polícia informou ainda que, caso as suspeitas sejam confirmadas, o investigado deverá ser indiciado pelo crime de fraude em certame de interesse público, previsto no artigo 311-A do Código Penal, cuja pena é de 1 a 4 anos de reclusão e multa.
Em nota, o  Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) disse que será notificado pela PF, após a conclusão das investigações, e que, a partir do que for constatado, adotará as providências cabíveis, delimitando as responsabilidades, eliminando eventuais beneficiários de esquemas de fraudes na edição de 2017 do Enem. O Inep reiterou “ter adotado todas as medidas para uma aplicação segura, com os requisitos de segurança exigidos para garantir a isonomia entre os participantes que foram adotadas em 2016 e reforçadas em 2017”.
Segundo o órgão, na edição de 2017, pela primeira vez, as provas foram personalizadas, com identificação do nome e número de inscrição do participante. Além disso, foi usado, de forma inédita, um detector de ponto eletrônico. Outros itens de segurança foram mantidos, como a identificarão biométrica, detector de metal nas portas dos banheiros; e escoltas para entrega das provas, inclusive, no retorno. O órgão conclui a nota, dizendo que novas medidas de segurança serão implementadas na edição de 2018.

https://ocponline.com.br/noticias/policia-federal-confirma-caso-de-fraude-no-enem-apos-apurar-denuncia/