Casos de dengue avançam no RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) aponta que no Rio Grande do Norte foram notificados 56.849 casos suspeitos de dengue em 2016, até a semana epidemiológica número 28 (término em 16/07/2016), um aumento de 121,93% em relação ao mesmo período de 2015.
 
Os números representam uma incidência acumulada de 1.761,01 casos por  cada 100 mil habitantes e de acordo com o Programa Estadual de Controle da Dengue (PECD) houve um aumento importante no percentual quando comparado ao mesmo período de 2015, quando foram notificados 25.616 casos suspeitos e incidência de 793,51 para cada 100 mil  habitantes.
 
O mais recente Boletim Epidemiológico divulgado pelo Programa Estadual de Controle da Dengue (PECD) destaca que dos casos notificados, 8.094 (14,24%) foram confirmados, 7.934 para dengue, 72 como dengue com sinais de alarme e 11 como dengue grave. Em 2015 no mesmo período foram confirmados 5.621 (21,94%), para dengue foram 5.559, dengue com sinais de alarme foram 51 e 11 como dengue grave.
 
 Em 2016, 127 (76,0%) municípios apresentam uma alta incidência acumulada de dengue, que são municípios que notificaram mais de 300 casos da doença por 100.000 habitantes. 27 (16,2%) com média incidência, 12 (7,2%) com baixa incidência e um município (0,6%) silencioso, ou seja, não notificou nenhum caso suspeito de dengue nesse período.
 
 A SESAP-RN alerta para a importância de sensibilizar os profissionais de saúde para a responsabilidade de notificar todos os atendimentos que se enquadrarem na definição de caso suspeito de doenças de notificação compulsória definidas pelo Ministério da Saúde através da Portaria Nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. 
 
CHIKUNGUNYA
 
No RN foram notificados 21.638 casos, sendo 5.126 confirmados. A 7ª Região de Saúde (Extremoz, Macaíba, Natal, Parnamirim e São Gonçalo do Amarante) concentra o maior número de casos notificados, seguida pela 2ª (Mossoró) e 4ª (Caicó) Regiões.
 A incidência da doença no ano 2016, considerando a população de 100 mil habitantes, mostra que os indivíduos mais atingidos pela febre de chikungunya são menores de 4 anos e adultos acima de 50 anos. Esse comportamento aponta para a gravidade da doença nesses grupos etários, tendo em vista que nos menores as defesas imunológicas estão em construção e nos maiores de 50 anos, encontra-se grande número de pessoas com outras doenças de base que, associadas ao CHIKV, podem agravar o quadro da doença, podendo mais facilmente evoluir para óbito.
 
 ZIKA
 
A Sesap notificou este ano, 4.843 casos suspeitos de zika-vírus, sendo 12 casos confirmados. No ano de 2015, para o mesmo período, foram 5.155 casos notificados e 31 confirmados.
 
No ano de 2015 e 2016, foram notificados 28 e 151 óbitos respectivamente. Dos óbitos notificados em 2016 para os agravos acima citados, após investigação e exames específicos, os óbitos tiveram a seguinte classificação final: quatro confirmados para dengue grave, 16 chikungunya, três para zika e 124 em investigação.  Somando um total de 23 óbitos encerrados.
 

Novo Jornal

0 Comentários